Seu navegador não suporta javascript!

Programa de Parcerias de Investimentos - PPI

Menos risco cambial nas concessões

Home > Notícias > Menos risco cambial nas concessões

26 de outubro de 2016

Menos risco cambial nas concessões

Moreira Franco afirma que governo estuda forma de proteger investidores na infraestrutura contra variações bruscas no dólar

Petróleo $ Gás

Rio de Janeiro - O secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República, Moreira Franco, confirmou na tarde desta quarta-feira (26) que o governo estuda uma forma de reduzir riscos cambiais para investidores que participarem do novo programa de concessões brasileiro.

"Estamos mobilizando nossos companheiros do Banco do Brasil, do BNDES e da Caixa, além de organismos internacionais, para enfrentarmos a questão do risco cambial", disse.

A afirmação foi feita durante palestra na conferência Rio Oil & Gas 2016, promovida pela indústria brasileira do petróleo. "É claro que nós temos que encontrar outra solução que não a indexação, porque vivemos no Brasil uma experiência catastrófica de indexação, que nos levou a situações difíceis de serem superadas", completou.

Moreira forneceu alguns poucos detalhes dos planos em estudo. "Temos que usar toda a nossa imaginação, todo o nosso conhecimento dentro das próprias regras dos contratos para que nós possamos compatibilizar o risco cambial que eventualmente exista."

Na palestra, Moreira citou as conversas travadas recentemente com potenciais investidores, em road shows feitos na Inglaterra e no Japão. Segundo ele, há maior confiança em relação ao Brasil. As novas regras das concessões encontraram apoio no exterior.

Apesar disso, a questão do risco cambial é citada por gestores de fundos de investimentos estrangeiros como uma necessidade. Ao longo do último ano e meio, a taxa de câmbio oscilou fortemente no Brasil. E os estrangeiros demandam um mecanismo de proteção específico para a infraestrutura -- isso porque já há disponíveis no mercado outras formas de seguro contra movimentos bruscos no preço do dólar.

Além da disposição de oferecer proteção contra o risco cambial, Moreira  Franco citou a adoção de debêntures no financiamento dos projetos como parte da estratégia de atração do capital estrangeiro. O estímulo às debêntures é novidade instituída pelo novo governo no Projeto Crescer.

As debêntures serão emitidas pelos consórcios vencedores dos leilões. Os papéis pagarão juros de mercado. Num primeiro momento, serão adquiridos pelo BNDES e pelo fundo de Investimento em Infraestrutura do FGTS (FI-FGTS), administrado pela Caixa. Os dois bancos públicos, porém, já anunciaram a intenção de revender os papéis no mercado secundário.

 

Autor: Assessoria de Imprensa

Leia outras notícias

  • ANTAQ libera leilão de áreas do porto de Santarém

    Continue lendo
  • Aviso de pauta: leilão da 2ª e 3ª Rodadas do pré-sal será amanhã, 27 de outubro

    Continue lendo